sábado, 30 de novembro de 2013

sexta-feira, 29 de novembro de 2013

quinta-feira, 28 de novembro de 2013

quarta-feira, 27 de novembro de 2013

Va de retro

"São os mordomos do universo todo, Senhores à força mandadores sem lei" 
(Zeca Afonso in: Os Vampiros)
Clikimagem

terça-feira, 26 de novembro de 2013

Inexplicabilidades

...ou  (porque)  até  no  melhor  pano  cai  a  nódoa !?

Ironia das ironias (aqui)

segunda-feira, 25 de novembro de 2013

Impostos constitucionais

Apesar do governo ter recusado as minhas sugestões para rectificação do OE, tanto a do ano passado, como a deste ano, volto a insistir.
E, para que não me acusem de inexplícito, desta vez recorro aos Monty Python que, a bem dizer, neste caso é como preto no branco: só não percebe quem não quer!


domingo, 24 de novembro de 2013

Domingo - dia de tomar banho e ...

 


O que às mulas velhas cai bem,
é bacalhau à lagareiro.





Mas quando o repasto acaba,
(já) uma delas acabou primeiro.

sábado, 23 de novembro de 2013

O gaivoelho



Com a influência da agora conhecida estratégia blogger na ascensão de Passos Coelho ao poder, cantando e rindo, aos poucos vou acreditando que os futuros governantes serão tipo gaivoelho (metade gaivota, metade coelho).
Assim, percebidas as capacidades defecantes da nossa ave marinha mais famosa e as perfomances velocimétricas do conhecido pequeno mamífero, temo que dos nossos futuros governantes apenas continue a vir merda como até hoje. Só que... a uma velocidade incrível.
Então, valha-nos a mixomatose!

sexta-feira, 22 de novembro de 2013

JFK - 50 anos depois.

23 de Novembro de 1963 - o dia em que a os Estados Unidos da América e o Mundo viram confirmada a profecia do poema preferido de JFKennedy.
 

“Tenho um encontro com a morte nalguma barricada disputada,quando a primavera regressar com sombras rumorejantes e as macieiras em flor encherem o ar.
Tenho um encontro com a com morte quando a primavera trouxer de volta os dias azuis e belos.
Talvez me pegue na mão e me transporte para essa terra escura, me feche os olhos e me sacie a respiração.
Talvez me encontre tranquilo.
Tenho um encontro com a morte nalguma encosta de um monte fustigado, quando a primavera regressar outra vez este ano e as primeiras flores do prado desabrocharem
Deus sabe que seria melhor estar nas profundezas, repousado em seda e perfumado, onde o amor palpita num sono ditoso, pulso com pulso e respiração com respiração, onde os despertares silenciosos são doces.
Mas eu tenho um encontro com a morte à meia-noite nalguma cidade em chamas
Quando a primavera regressar ao norte e à minha jura eu for fiel, não faltarei a esse encontro”.                             
                                                  (Alan Seeger in: Rendezvous with death)                                                                                   







quinta-feira, 21 de novembro de 2013

quarta-feira, 20 de novembro de 2013

terça-feira, 19 de novembro de 2013

Dedicatórias

... à dona Luisinh@, senhora ministra das finanças, por toda a (des)consideração hoje dispensada a milhares de pensionistas ao honrar o compromisso do Estado nos pagar o subsídio de férias por forma a podermos contribuir com mais de metade do mesmo para... (para que é mesmo?)

 

segunda-feira, 18 de novembro de 2013

Até amanhã camaradas

...que hoje andei todo o dia a preparar-me para receber o subsídio de férias.
                                                                                         (Daqui a uma hora)
http://www.deco.proteste.pt/dinheiro/impostos/noticia/funcao-publica-subsidio-de-ferias-ja-so-para-alguns
Clikaqui

domingo, 17 de novembro de 2013

Penicheiradas

Nem por eventuais pequenas coincidências naturais, Peniche será comparável a Havana, a Caracas ou a Pyongyang
Assim como, nem o Tó Zé Correia, nem (tirando o suspeito do costume) os outros figurantes do cartaz-monumento plantado na esquina da Rua Azevedo Perdigão com o Adro da Ajuda, terão algo a ver com Fidel Castro, Nico Chávez Maduro ou Kim Jong-un. Muito sinceramente, acho que (já) não.
Por isso, é que, passados cinquenta dias sobre o último acto eleitoral autárquico e feita a limpeza da sua propaganda política em todo o concelho, é difícil compreender a permanência dessa "estátua" - qual ícone do tipo eternizado pelas "democracias" comunistas.
A não ser... A não ser que faça parte de uma qualquer campanha (abusiva) diabolizada pelo (suspeito do costume) PCP local, visando captar militantes por entre os católicos que diariamente combatem o ateísmo na igreja da Ajuda, junto dos alunos
que, na Escola Secundária, buscam sabedoria entre as virtudes e os defeitos de Marx, Adam Smith ou Friedman, ou dos clientes das promoções Lidl às 5ªs.-feiras.
Digo campanha abusiva, porque o cartaz ali situado, pelo seu impacte visual junto ao monumento de interesse público que é a igreja da Ajuda, talvez não fosse autorizado por quem de direito, se lhe fosse requerida a devida autorização.
Abusiva, também, porque, lendo os resultados eleitorais, dos 25.348 eleitores do concelho houve 20.849 (vinte mil oitocentos quarenta e nove) que, tal como eu, não concordaram com a mensagem e, provavelmente, com a maioria dos actores propostos. Ora, se 18% de qualquer coisa acha que vale mais, manda e pode como quer, do que os restantes 82%...isso tem um nome.
Feio. Muito feio!          

sábado, 16 de novembro de 2013

sexta-feira, 15 de novembro de 2013

quinta-feira, 14 de novembro de 2013

Berço é berço

Guimarães é, como já aqui deixei transparecer, a minha segunda "casa". É lá que, geralmente, compenso os défices culturais deixados pelo viver nesta minha terra natal adoptiva, à beira-mar plantada que, por tão bela naturalmente, como que releva a ignorância e o desamor cultural que lhe têm dado no último decénio.
Enfim, como diria um dos já putativos candidatos à presidência da República: "não se pode ter sol no beiral e chuva no nabal"...
Dito o que disse, hoje deixo aqui mais um dos bons motivos para me orgulhar de "ser" vimaranense: o prémio atribuído à moeda de dois euros alusiva a capital Europeia da Cultura /2012.

quarta-feira, 13 de novembro de 2013

terça-feira, 12 de novembro de 2013

Quem mia pode não ser gato


(experimentação pós-leituras de Mia Couto)






Dói-me o corpo.
                       

                  Dói-me a alma.
                


 E, pior que tudo isso,  dói-me  a vida:
 


tanto, tanto, que já nem me apetece sonhar.

segunda-feira, 11 de novembro de 2013

Contributos para melhorar Peniche.

O meu artigo de hoje vem na sequência de "arquitecturas" que me surgem de vez em quando. Como este espaço é meu, entendo que posso partilhá-las - tal como já o fiz em relação à ligação ao mar pelo norte do fosso das muralhas e/ou sobre a instalação de serviços públicos na fortaleza de Peniche.
(Por isso, podem tocar a reunir o pelotão de fuzilamento; não vai doer!)

Esta notícia sobre a Santa Casa da Misericórdia de Lisboa querer a Maternidade Alfredo da Costa para uma academia de saúde (?) foi a gota de água que me fez aqui deixar a ideia que venho alimentando desde que o encerramento do hospital de Peniche começou a parecer-me o corolário da mal disfarçada ofensiva economicista iniciada há sete anos pelo ministério da Saúde. Ou seja, quando em Março/2012 a população se juntou às elites políticas e sociais e, em uníssono, nos manifestámos na defesa intransigente na manutenção do nosso hospital.
Ora, se na prática a única resposta às reivindicações penichenses têm sido as sucessivas amputações feitas às valências do hospital, o autismo governativo e o desenho a que o ultraliberalismo troikista comprometeu a Saúde em Portugal só podem ter um objectivo: privatização.
Vêm aí as seguradoras, os fundos de pensões, os Mellos, as parcerias, enfim, nacional ou estrangeira, a Saúde vai melhorar na Bolsa.
Perante esta inevitabilidade, não seria melhor que, num golpe de asa, os penicheiros tomassem conta do seu hospital e o negociassem com o futuro?
Será que aquele edifício não tem condições para ser uma clínica (ou uma academia das que Santana Lopes fala) especializada em qualquer uma (ou mais) especialidades da Saúde? 
Julgo que sim. Então, e se como "compensação" fossem garantidos, por exemplo, os serviços de urgência e de saúde básica em regime público ao concelho de Peniche? 
Fica a ideia. Provavelmente, outras terão surgido ou aparecerão quando o tema voltar a incendiar-se. Hoje, o meu ego louco - contribuinte de ideias (umas) e de idiotices (outras) - fica satisfeito.
Amanhã veremos o lado poeta.
Quanto ao resto, haja fé e vontade - que a montanha, às vezes, move-se!

domingo, 10 de novembro de 2013

Penalty instagram














"No futebol, como em todas as artes, o que se vê depende sempre muito do que se quer ver."
                      (Duarte Gomes)

sábado, 9 de novembro de 2013

sexta-feira, 8 de novembro de 2013

quinta-feira, 7 de novembro de 2013

O direito à inutilidade

... e não estranhe se, ao minuto 5 deste vídeo, sentir um nó na garganta.


quarta-feira, 6 de novembro de 2013

Margarida, a mulher diabo.

"Ai  se  não  fosse  pelo  chifre  e  pelo  rabo..." 
 (Matanza)
O meu post de hoje era para ser um longo e aturado comentário à recente entrevista (dada na RTP1) por mais uma das muitas figuras portuguesas da nação cor-de-rosa e que, inexplicavelmente (ou talvez não), acessa com regularidade aos escaparates de uma certa literatura portuguesa.
Pois. Era para ser, mas não é!
Não é porque, dar muita atenção a Margarida Rebelo Pinto, é alimentar o que de mais execrável tem a sub-cultura que, diariamente, jornais, revistas e televisões distribuem por este país afora.
Por isso, caros amigos, se quiserem ver/ouvir aqui a pérola mais fresca do panorama cor-de-rosa nacional, façam favor: abram as portas à indignação!
Entretanto, dou uma ajudinha (a partir do minuto 6)
"..Fico triste em ver este tipo de manifestações, que demonstram falta de civismo das pessoas que vão interromper e tentar perturbar o trabalho daqueles que neste momento governam o país..:"
"..Eu acho que é uma falta de responsabilidade civil, e uma falta inteligência este tipo de manifestações..."
"..Eu, como todos os cidadãos já tive cortes, (...) todos temos de aprender a ganhar menos..."
"..Há um grupo de amigos ricos, depois há outro que é pobre e gasta o dinheiro todo a imitar os ricos, Portugal é um bocado assim.."
"..Não é com esta atitude de treinador de bancada, típica dos Portugueses, ir pra la mandar vir que não é assim que as coisas se resolvem..."
"..A mentalidade das pessoas deve mudar um pouco, a história do Estado protector, que nos dá tudo, e depois as pessoas muitas vezes estão a trabalhar para o Estado ou estão a aproveitar-se e não estão a produzir o suficiente, também não é correcto..."
"..Toda a gente ficou muito chocada com as taxas moderadoras dos Hospitais, eu acho muito bem que sejam aplicadas as taxas moderadoras nos Hospitais, são máquinas muito grandes e portanto precisam de as aplicar..."
"..Esta coisa de ir ali e usar todos os serviços e mais alguns e nem sequer estar disposto a pagar..."
"..As pessoas têm de pagar taxas moderadoras nos Hospitais, mas por outro lado o Governo conseguiu com que o valor dos medicamentos baixasse, isso também é muito bom para o bolso das pessoas..."
 
Por mim chega, Margarida!
Ganhaste o direito ao troféu Mulher Diabo. Toma lá, é todo teu!

terça-feira, 5 de novembro de 2013

O Natal, os reis magos e os outros maduros

A rede bloggo-twitt-facebookiana, na sua habitual volúpia anti-comunista, emprenhou com esta inusitada atitude do Maduro sucessor/ditador de Hugo Chavéz em decretar o Natal em Novembro.
Esquecendo-se (?) que outros Maduros - bem aqui mais perto -  pelo 3º ano consecutivo, tanto nos mirraram o 13º mês que decretaram o FIM do Natal em muitos lares portugueses...


segunda-feira, 4 de novembro de 2013

domingo, 3 de novembro de 2013

Pronuncias deficientes

"na tega de cegos quem tem um olho é guei"

Clikimagem

sábado, 2 de novembro de 2013

sexta-feira, 1 de novembro de 2013

Cogitações de finados

 
"Cada um que passa em nossa vida, passa sozinho, pois cada pessoa é única e nenhuma substitui a outra. 
Cada um que passa em nossa vida, passa sozinho, mas quando parte, nunca vai só nem nos deixa a sós. 
Leva um pouco de nós, deixa um pouco de si mesmo.
Há os que levam muito, mas há os que não levam nada". 
Khalil Gibran