sábado, 31 de dezembro de 2016

Até pró ano

Querido 2016, está chegada a hora do adeus. E, que raio, dizer adeus custa.
Custa muito - especialmente de quem nos deu mais alegrias que tristezas, mais saber que ignorância, mais amor que ódio e, fundamentalmente, a possibilidade de compartilhar a vida por mais 365 dias com os melhores amigos do mundo.
A inexorável marcha do tempo não perdoa; daqui a pouco vais ter de nos deixar para que o teu sucessor se apresente ao mundo carregadinho de esperanças, de boas intenções e de muitos daqueles votos delico-doces próprios da “estação”.
Bora lá, então!
E que o teu descendente 2017 nos traga saúde. Do resto a gente trata…

Abreijos!

domingo, 25 de dezembro de 2016

ameoP ed lataN

Perguntei pelo Natal, 
indicaram-me os rochedos. 
Subi a altas montanhas, 
só trouxe sustos e medos. 

Um mendigo, previdente,
avisou-me: o Natal 
fica na quilha de um barco 
que ainda nem é pinhal. 

Li poemas, li romances, 
mondei sonetos na horta: 
Do Natal, só as nuances 
da fome a rondar a porta. 

Até que um dia, ó milagre, 
levado pelo coração, 
toquei teus seios redondos 
- brancas rolas, róseos pombos - 
e tive o Natal na mão! 

domingo, 18 de dezembro de 2016

quarta-feira, 14 de dezembro de 2016

Aloha

"Mar nosso que estais na Terra,
Santificadas sejam as nossas ondas,
Venha a nós a vossa praia, seja feito o nosso swell,
Assim no verão como no inverno,
O surf nosso de cada dia nos dai hoje,
Perdoai as nossas vacas,
Assim como nós perdoamos quem nos rabeia,
Não nos deixais cair nos corais,
E livrai-nos do crowd"

                     (Oração do surfista)




segunda-feira, 12 de dezembro de 2016

quarta-feira, 7 de dezembro de 2016

domingo, 4 de dezembro de 2016

Teorema Zero

Na esperança de que, havendo mais vida - mesmo para além da morte - exista um outro lugar, onde o nosso outro, viva em eterna felicidade!


When you were here before
Couldn't look you in the eye
You're just like an angel
Your skin makes me cry
You float like a feather
In a beautiful world
I wish I was special
You're so fucking special

But I'm a creep, I'm a weirdo
What the hell am I doing here?
I don't belong here

I don't care if it hurts
I wanna have control
I want a perfect body
I want a perfect soul
I want you to notice
When I'm not around
You're so fucking special
I wish I was special

But I'm a creep, I'm a weirdo
What the hell am I doing here?
I don't belong here

She's running out again
She's running
She run, run, run, run, run

Whatever makes you happy
Whatever you want
You're so fucking special
I wish I was special

But I'm a creep, I'm a weirdo
What the hell am I doing here?
I don't belong here
I don't belong here

sábado, 26 de novembro de 2016

sexta-feira, 18 de novembro de 2016

Penicheiradas


Há dois dias atrás (um dia após ter assinado a Petição Peniche em Defesa da sua Fortaleza) escrevi por aí;
"Parece-me que os fumos do guano tendem a inquinar a discussão e a levá-la para a desunião quando o assunto carece que os penicheiros falem a uma só voz, e grossa! 
Desconvença-se, quem julga fazer desta temática um trampolim para saltos políticos, de que os protagonismos encenados (quer à direita, quer à esquerda) podem contribuir para em pouco tempo mostrar algo diferente do que deveria ter sido provado nos últimos três anos ou mais".

Hoje repetiria o comentário retirando apenas o "Parece-me". Hoje, infelizmente, este processo, que EXIGIA a unidade partidária penichense, está ferido de morte. 
À preocupação sobre o efeito negativo da Petição Pública em curso (cujas actuais 700 assinaturas nos ENVERGONHAM a todos) no desenvolvimento futuro do processo com o Governo, deveria ser acrescentada a telenovelesca participação de gente responsável dos partidos com assento autárquico; uns porque se dizem e desdizem conforme o papel desempenhado, outros porque querem o púlpito a todo o custo, outros ainda porque não querem (nem podem, na sua perspectiva) perder o protagonismo.
Apesar de tudo, acredito que a esperada actuação autárquica junto do Poder conseguirá, no mínimo, fazer este processo regressar à viabilização da restauração da Fortaleza e à sua reutilização ao serviço da História - permitindo que o Passado e o Futuro convivam harmoniosamente, contribuindo assim para a elevação sócio-cultural de todos nós.
Se assim não acontecer, todos perderão: os que, simplesmente, acham razoável ver o património da sua terra ao serviço (também) das suas gentes, os que se encavalitaram no processo que redundou em fracasso político-partidário e, até, os merdosos críticos egocêntricos das nossas redes sociais porque, muito intimamente, sentirão o remorso de não terem tido coragem de 
(uma vez na vida) participarem cívica e construtivamente numa causa em prol da sua terra.   

sexta-feira, 11 de novembro de 2016

quinta-feira, 10 de novembro de 2016

Peniche? que se lixe!

O futuro da geringonça "passou" por Peniche e esta desistência de privatizar o Forte de Peniche cheira mesmo a contrapartida política do PS para calar, fundamentalmente, uma certa "esquerda bafienta" que ainda não percebeu (ou não quer perceber) que a História não é só deles.
A Fortaleza teve um Passado que exige respeito e memorável, mas de que Peniche não pode ficar refém.
Lamento (e porque seu apoiante, profundamente) que a nobre arte de bem geringonçar demonstrada pelo actual governo afecte, em nome "da memória de luta pela democracia" (que nunca foi posta em causa neste processo), ou venha a adiar o Futuro da minha terra e, pior que isso, o futuro dos seus filhos, uma e outros sempre dependentes do mar e das suas marés - políticas e outras.

sexta-feira, 4 de novembro de 2016

Afonso de seu nome


O meu menino é d'oiro
É d'oiro fino
Não façam caso que é pequenino
O meu menino é d'oiro
D'oiro fagueiro
Hei de levá-lo no meu veleiro.

Venham aves do céu
Pousar de mansinho
Por sobre os ombros do meu menino
Do meu menino, do meu menino
Venha comigo venham
Que eu não vou só
Levo o menino no meu trenó.

Quantos sonhos ligeiros
Pra teu sossego
Menino avaro não tenhas medo
Onde fores no teu sonho
Quero ir contigo
Menino de oiro sou teu amigo

Venham altas montanhas
Ventos do mar
Que o meu menino
Nasceu pra amar
Venha comigo venham
Que eu não vou só
Levo o menino no meu trenó.

O meu menino é d'oiro
É d'oiro é de oiro fino ....

quinta-feira, 3 de novembro de 2016

Disco Pedido


(Nada melhor que um(a) benfiquista para cantar um fado de Lisboa)

sábado, 29 de outubro de 2016

Riquezas de espírito


Confesso que ler Maria Filomena Mónica é sempre um desafio.
Porque, se uma coisa é ler as suas crónicas jornalísticas - objectivas mas algo limitadas porque necessariamente condensadas - a mesma disponibilidade não chega para uma qualquer sua leitura de fundo.
Experimentei-a em Bilhete de Identidade e não me apaixonei pela sua escrita. Mas não posso negar que me conquistou pela liberdade que põe em cada palavra que diz, em cada pensamento que revela, em cada postura que confidencia; ou seja pela liberdade de ser, de estar e de viver.
Daí que, apesar de não partilhar muito do seu ideário, gosto do seu contraditório, do seu agitar constante o politicamente correcto.
Por isso, enquanto não ganho coragem para enfrentá-la em escritos superiores a duas ou três páginas, vou experimentando as suas deliciosas entrevistas como esta recente ao Sapo24 que me fez recordar uma outra (mais antiga) ao Diário de Notícias
Porque, apesar de "arrogante num certo sentido, com pessoas que são incultas e têm possibilidade de ser cultas, que defendem opiniões estúpidas" ler Maria Filomena Mónica é uma lufada de ventania de uma portuguesa "com cabeça livre e uma língua bastante activa".     

terça-feira, 18 de outubro de 2016

sábado, 15 de outubro de 2016

Mr Dylan's portuguese kick

O dia em que Mister Dylan (se) permitiu emprestar um empurrão a Portugal.


   "Trails of troubles,
                       Roads of battles,
                                         Paths of victory,
                                                         We shall walk."

terça-feira, 11 de outubro de 2016

Imposto(res)

Porque estamos em plena época de caça aos impostos - faltando pouco mais de um mês para o "edital" por que se regerá o reino em 2017- as plataformas electrónicas opinativas enchem-se de reclamações, de críticas e de propostas pouco ou nada substantivas (até porque os governantes tendem ignorar opiniões públicas que não façam parar uma(s) cidade(s), quiçá um país...).
Portanto, este será o momento mais apropriado para reflectirmos sobre uma opção (básica) do governo geringonceiro:
- Trocar impostos sobre o rendimento do trabalho por impostos sobre o consumo de bens não essenciais e sobre o imobiliário.
Será assim tão difícil de compreender, ou no aceitar é que estará o problema?
Quanto a património e rendimentos somos (todos) uma cambada de hipócritas, é certo, mas pelas dores antecipadas que por aí andam, às vezes parece que somos um país de grandes proprietários, com população maioritariamente da classe média/alta.
Em 2014 Portugal era o 3º país da UE com maior concentração de riqueza, apenas atrás da Áustria e Alemanha,  enquanto a pobreza recuava para valores de início do século.
Dá vontade de perguntar: quando é os "analistas" económicos acordam para a vida das pessoas? 

quinta-feira, 6 de outubro de 2016

O missionário do século XXI

Apesar das contra-manobras de última hora, apoiadas pelos habituais portugueses manhosos a que se juntaram, nada mais nada menos, que Ângela Merkel e Claude Juncker, António Guterres foi eleito por aclamação secretário geral da ONU. 
Esperemos que este resultado, que honra o candidato e os seus promotores, sirva de lição aos lideres da contrafacção política europeia e que estes tenham aprendido que os truques sabujos com que tentam dominar a União Europeia nem sempre resultam...



domingo, 2 de outubro de 2016

Domingo, dia de tomar banho (de música ...)


"And I believe in Love
                       And I know that you do too
                                                       And I believe in some kind of path
                                                                                               That we can walk down, me and you"

quinta-feira, 29 de setembro de 2016

Peniche e as manias que alguns (ainda) têm.

"Aleluia, aleluia!
Esperemos agora que o respeito devido à História não seja exacerbado a ponto de criar obstáculos. nomeadamente políticos, a uma das realizações mais importantes para Peniche, que podem transformar uma visita/estadia em (muito) mais qualquer coisa que a célebre "volta dos tristes."

Tal como ontem adivinhava neste meu comentário facebookiano sobre esta aposta do governo em transformar a Fortaleza de Peniche em "activo económico", aí estão aquilo que poderão ser as "más notícias".
Não por virem (naturalmente) de quem vêm, mas por aparentarem condenáveis sentimentos de posse:
- a História de Portugal (onde, justamente, se enquadra tudo quanto se passou na Prisão/Fortaleza de Peniche) não pertence a ninguém em particular - é nossa, dos Portugueses;
- a Fortaleza de Peniche não é propriedade do PCP, nem do seu "fiel" depositário autárquico penicheiro, e muito menos dos seus tentaculares institutos. É património nacional, dos Portugueses.
Sem necessidade de referendar os Penicheiros sobre a importância do que está em jogo, será importante que não se criem cenários perigosos à intenção do Estado em concessionar a exploração da nossa Fortaleza, sob pena de a vermos ruir ano após ano, até ao dia em que apenas reste de pé uma única ala: a dos que lutaram pela LIBERDADE de todos os portugueses, não apenas a de alguns...

segunda-feira, 26 de setembro de 2016

sábado, 24 de setembro de 2016

quinta-feira, 22 de setembro de 2016

Pergunta do primeiro dia de Outono

Se me refrescas no calor da manhã e me aqueces no frio da tarde, 
porque me entristeces devagar... no silêncio, sem fazer alarde?



segunda-feira, 19 de setembro de 2016

A moeda do cabaço

Nos meus tempos de "adolescente inconsciente", era comum ouvir-se dizer que a virgindade feminina era um atributo quase indispensável para o casamento, sendo correntes as expressões "ter os três vinténs" ou "não ter os três vinténs" consoante o estado da menina, ou, pior ainda, se a virgindade lhe era oferecida, o felizardo cantaria "já lhe tirei os três vinténs"!
Até hoje, confesso, nunca percebi qual era a origem dessas expressões. Porém, um destes dias, o mundo blogueiro surpreendeu-me com a explicação que aqui deixo
É claro que estas expressões, à luz da igualdade dos sexos, eram altamente pejorativas, revelando os resquícios da mulher-objecto fruto da cultura então prevalecente na sociedade portuguesa com o alto patrocínio do Estado e da Igreja dessa época.
Hoje, felizmente, vivem-se outros tempos, em que as mulheres alcançaram um elevado grau de emancipação e gerem a sua virgindade como muito bem lhes apraz.
Por isso, será natural que, agora, os três vinténs tenham apenas interesse numismático, deixando a utilização da expressão para além disso ao léxico dos idiotas (sem três dedos de testa...).


domingo, 11 de setembro de 2016

sexta-feira, 9 de setembro de 2016

Sonno qua, Freud

- Porque será que, por esta madrugada afora, depois de ter assistido (na SIC) à entrevista do meretíssimo Carlos Alexandre, sonhei com uma série que nos "colou" à televisão... pr'aí há uns 25 anos?

quarta-feira, 7 de setembro de 2016

Penicheiradas






"A liberdade da indiferença é o grau mais baixo da Liberdade"


(Gabriel Marcel/
Descartes)

segunda-feira, 5 de setembro de 2016

Ódios de estimação


A coreógrafa Pina Bausch disse um dia que a “dança era antes da palavra e como tal a palavra não poderia reproduzir seu trabalho”. Conceito respeitável, mas de difícil concordância, especialmente para quem , como eu, prefere a palavra como ferramenta de expressão.
Assim ficaríamos se não surgisse o excelente vídeo que hoje publico; onde, de forma irrepreensível (de dicção e gestos), nos é mostrado o resultado de uma coreografia montada sobre a recitação de um texto em volta de um ódio à dança.
Concordamos?


sábado, 3 de setembro de 2016

A ínclita geração


"Mas, pera defensão dos Lusitanos,
Deixou, quem o levou, quem governasse
E aumentasse a terra mais que dantes:
Ínclita geração, altos Infantes."
 "Os Lusíadas" (Canto IV, estância 50):

terça-feira, 30 de agosto de 2016

Embirrações


Não sei (mas imagino) a quem se deve a renovação da informação toponímica da cidade, especialmente nas ruas da zona vulgarizada por Penixima - independentemente da sua densidade habitacional ou utilização. Mas pelos (inestéticos?) tamanhos das placas e das letras escritas, desconfio que, das duas uma: ou o mandante acha que os cidadãos que vivem e/ou visitam Peniche tem problemas de visão, ou, dada a proximidade de eleições autárquicas, quer ASSIM mostrar aos seus potenciais (re)eleitores, de forma inesquecível, o zelo que a freguesia-cidade lhe merece.

Pena é que as (2) placas toponímicas da artéria mais utilizada da cidade não tenham merecido o mesmo tratamento. Um "lapso" que já aqui aconteceu há uns 15 anos atrás, com uma incompreensível demora na fixação das placas correspondentes à deliberação camarária de (por proposta da Assembleia Municipal) atribuir o nome de Mariano Calado à avenida correspondente à antiga Marginal Norte/Estrada Nacional 114, entre o Portão de Peniche de Cima e a Avenida General Humberto Delgado.
Fosse eu um escritor a metro da literatura cor-de-rosa, diria que "não há coincidências". 
Não sou. 
E por isso quero acreditar que o facto de no troço habitacional da avenida Mariano Calado residirem poucos eleitores com falta de vista será a única explicação para o caso.

domingo, 28 de agosto de 2016

Domingo, dia de tomar banho e...

... conhecer a face (o)culta de Buika.

quinta-feira, 25 de agosto de 2016

Amigos à la carte


À moda das amizades gratuitas tenho dito não.
Porque não aceito ser amigo de circunstância e muito menos amigo em part-time. 
Não sou amigo só para combinar ou destoar com cenários. 
Ou sou ou não sou. 
Independentemente disto ou daquilo. 
Amizade do seu “lato sensu” não é como uma toalete que se usa num ano, mas que se deita fora no seguinte por já estar completamente fora de moda. 
Pode ser que eu não perceba nada de relações humanas. Nem de moda. 
 Mas é assim que eu gosto!

segunda-feira, 22 de agosto de 2016

Recortes da vida de um médico poeta (ou vice-versa)



Deixa as palavras onde estão.
Imóveis, desarmadas.
Não lhes agites os demónios que nelas dormem
ávidos de despertarem.
Não fales do que és, nem descrevas 
coisa alguma.

Preserva o que em ti e nos outros é intocável.
Não deixes que as palavras desfigurem.
Que as palavras mutilem.
Que as palavras viciem.
Que as palavras mintam.
Que as palavras sejam peças
de um jogo em que o desfecho

É o xeque-mate.


Fernando Namora

sexta-feira, 19 de agosto de 2016

quinta-feira, 18 de agosto de 2016

Peniche e as praias de bandalheira azul

A frequência dos (muitos) anos anteriores ensinou-me que o objectivo da bandeira azul de publicitar uma praia de qualidade com regras de utilização bem definidas, acarreta RESPEITO - quer dos utilizadores, quer dos concessionários, quer, ainda das entidades envolvidas no zelo e cumprimento dos deveres e obrigações consequentes.  
Portanto, quando uma destas partes foge ao "contrato" perfeitamente registado à entrada da zona de praia, perdem-se as qualidades anunciadas. E se o incumprimento infecta uma ou mais outra(s) parte(s) restante(s)... então é a bandalheira. Azul, mas bandalheira.
Neste Verão e, particularmente, nas últimas duas semanas, uma temporária debilidade física tem-me obrigado a ficar na zona de praia concessionada - daquelas anunciadas por bandeira azul, amarela, e sei lá que mais onde, supostamente, estaria a "salvo" de bolas, cães, escolas de surf em actividade, etc.
Mas não: nos (cerca de) 300 m de largura de praia perfeitamente delimitada, têm(...) de caber os banhistas - onde se incluem sempre muitas crianças,  os grupos  da bola, alguns dos cães que não gostam do sectarismo a que obriga a ideia brilhante da "sua" praia no Porto d'Areia Norte, mais uma ou duas escolinhas de surf em plena actividade. E nem merece a pena explicar o efeito das marés neste cabimento todo...
É claro que poucos dos prejudicados têm coragem de contestar este desrespeito mais ou menos institucionalizado; e se o fazem, perdem tempo porque esbarram contra a má educação de uns e o "lava mãos" de outros que a pé ou motorizados ali estarão apenas para "zelar pela vida das pessoas que estão na água".
Clara é, aqui também, a aparente incapacidade(...) de actuação a quem compete diligenciar o cumprimento das regras e das leis.
Finalmente, clara é a proposta que aqui deixo aos iluminados autarcas da minha terra, considerando que, apesar das livres e naturais disponibilizações concedidas aos praticantes do surf e da recente afectação-piloto de um espaço próprio para canídeos, a generalização da indisciplina e falta de civismo crescentes na utilização de todas as praias do concelho de Peniche põe em causa a liberdade individual dos cidadãos locais e dos forasteiros que procuram as nossas praias para fazer isso mesmo: praia!
- Criem as PRAIAS PARA PESSOAS: onde seja APENAS autorizado 
desfrutar serenamente os prazeres da praia e do mar em clima de paz, sossego e respeito pela individualidade.
Vá lá, meus senhores. Olhem que quem vota são as pessoas!
     

domingo, 14 de agosto de 2016

Bodas de mofo(...)






Há dias que marcam pela coragem e força de partir numa aventura a dois.


Inesquecíveis, mas irrepetíveis.


O tempo deixa marcas, algumas bem visíveis; outras, mesmo que indeléveis, nunca deixam voar muito alto as ilusões.


domingo, 7 de agosto de 2016

¿A caminho da autopatia?

"Aprender a meditar é o melhor presente que podes dar a ti próprio nesta vida"
(Sogyal Rinpoche)

O que será que me dá
Que me bole por dentro, será que me dá
Que brota à flor da pele, será que me dá
E que me sobe às faces e me faz corar
E que me salta aos olhos a me atraiçoar
E que me aperta o peito e me faz confessar
O que não tem mais jeito de dissimular
E que nem é direito ninguém recusar
E que me faz mendigo, me faz suplicar
O que não tem medida, nem nunca terá
O que não tem remédio, nem nunca terá
O que não tem receita

O que será que será
Que dá dentro da gente e que não devia
Que desacata a gente, que é revelia
Que é feito uma aguardente que não sacia
Que é feito estar doente de uma folia
Que nem dez mandamentos vão conciliar
Nem todos os unguentos vão aliviar
Nem todos os quebrantos, toda alquimia
Que nem todos os santos, será que será
O que não tem descanso, nem nunca terá
O que não tem cansaço, nem nunca terá
O que não tem limite
O que será que me dá
Que me queima por dentro, será que me dá
Que me perturba o sono, será que me dá
Que todos os tremores me vêm agitar
Que todos os ardores me vêm atiçar
Que todos os suores me vêm encharcar
Que todos os meus nervos estão a rogar
Que todos os meus órgãos estão a clamar
E uma aflição medonha me faz implorar
O que não tem vergonha, nem nunca terá
O que não tem governo, nem nunca terá
O que não tem juízo

sábado, 6 de agosto de 2016

Barrac'armada

A pouco menos de três horas do início do encontro entre as geringonças (local e nacional) que combinaram o "two man's dog show" - televisionado para todo o país, já com a barraca armada e com vinte e tal cães felizes porque à solta na "sua" praia, renovam-se as evidências da mentira que o dono da "nikita" pregou aos (seus mais fiéis admiradores e crédulos camaradas) penicheiros, quando afirmou que seria (estupidamente, digo eu) obrigatório o uso de trela para os animais frequentarem a praia do Porto d'Areia Norte.
A ver vamos. Vamos?



quinta-feira, 4 de agosto de 2016

Ser Penicheiro (3)...

...também é conhecer o património ambiental, cultural e histórico de Peniche.


VER AQUI A RESPOSTA CERTA 



quarta-feira, 3 de agosto de 2016

Ser Penicheiro(2)...

...também é conhecer o património ambiental, cultural e histórico de Peniche. 

VER AQUI A RESPOSTA CERTA


terça-feira, 2 de agosto de 2016

Ser Penicheiro...

...também é conhecer o património ambiental, cultural e histórico de Peniche. 

VER AQUI A RESPOSTA CERTA

sábado, 30 de julho de 2016

A praia dos donos disto tudo

Na sequência do "desafio que o secretário de Estado da Defesa Nacional terá lançado" ao presidente da Câmara Municipal Peniche, a praia do Porto d'Areia Norte está sinalizada para ser a primeira praia para cães do país, faltando apenas assinar o "respectivo protocolo" entre o Estado e a CMPeniche no próximo dia 6 de Agosto...
Nada tenho contra a bondade da ideia, mas porque desconheço a informação que terá sido (ou não) prestada à secretaria de Estado em causa sobre as características do local em questão, a minha consciência obriga-me a ponderar o seguinte:
- A praia do PANorte fica em zona de grande densidade habitacional local e turística;
- A praia do PANorte foi, durante dezenas de anos, o principal ponto de descarga das águas residuais da cidade de Peniche e, por isso mesmo, a maioria da sua fauna e flora marítimas foi completamente devastada, mas há 15 anos atrás, com a inauguração da ETAR, o sistema de vida animal e vegetal entrou em regeneração, cujos frutos são já bem visíveis no local;
- A praia do PANorte fica entre dois (desprezados) marcos históricos da defesa militar portuguesa;
- A praia do PANorte faz parte de zona de património geologicamente reconhecido;
- A praia do PANorte fica em zona arqueologicamente classificada (relacionada com a necrópole do navio S.Pedro d'AlCântara).
A estes considerandos (facilmente confirmáveis) poder-se-á acrescentar o facto de, em Peniche, existirem muitos quilómetros de praia disponíveis para a marcação de uma praia de caninos sem ofender as susceptibilidades ambientais, arqueológicas, históricas, geológicas e humanas que a putativa escolha do presidente da CMPeniche desafia.
Por último, seria bom consultar os resultados práticos da fúria protocolar dos 11 anos de vida deste executivo camarário.
Provavelmente não deferirão dos lastimosos resultados verificados na maior parte das autarquias nacionais, exactamente porque, aí, servem mais vezes objectivos politico-partidários e de promoção individual que os enunciados.
Depois do que está a ser divulgado como "as condições de frequência" para a citada praia - que será praticamente o mesmo por que se regem as praias não vigiadas - temo pela realidade do que está em apreço.
Por tudo o que aqui exponho e porque ser penicheiro é também ser português e cidadão do Mundo, lanço um apelo ao bom senso das entidades envolvidas, esperando, muito sinceramente, que reconheçam os riscos que ao local escolhido trará a ligeireza com que encarreiraram em mais uma operação do marketing político-partidário do mediático dono da Nikita. 

segunda-feira, 25 de julho de 2016

segunda-feira, 18 de julho de 2016

domingo, 17 de julho de 2016

Tempo de andar por aí

... e desfrutar outros sabores (que os há, e muitos) para além da net.













sábado, 16 de julho de 2016

O suplente




A diferença, aliás GRANDE, entre o suplente Passos Coelho e o suplente Quaresma está no estilo.

Pedro tinha estilo mas faltou-lhe sempre o resto quando foi a jogo, Ricardo... é o que se sabe!   







quinta-feira, 14 de julho de 2016

quarta-feira, 13 de julho de 2016

terça-feira, 12 de julho de 2016

segunda-feira, 11 de julho de 2016

De boas intenções...

Eu sou daqueles que não viu "lesão estudada" na entrada do Payet sobre o Cristiano Ronaldo; mesmo depois das 50.000 repetições da jogada, dadas por todos os canais televisivos, continuo a ver uma entrada dura sobre o CR7, passível de falta, eventualmente passível de cartão amarelo, a julgar pelos critérios da arbitragem que se seguiram contra os nossos jogadores. 




Apesar desta minha opinião, para a história do jogo, do campeonato e de Portugal o que interessa foi o resultado final.
O resto, como CR7 vulgarizou, "que se f*)@"