segunda-feira, 17 de abril de 2017

Poesia de wc

Neste lugar solitário
Muita vaidade acabou.
Muito cobarde fez força,
Muito valente (se) borrou...

sábado, 15 de abril de 2017

Imparidades mal paridas


Não percebo nada de macro-economia. É certo.
Mas percebo que, quando a Despesa é MAIOR que a Receita, o resultado chama-se prejuízo (isentando IRC).
E percebo, também, a outra forma de "prejuízar" utilizada pela Banca, cujos administradores e altos/médios cargos não prescindem de ordenados pornográficos nem de outras mordomias que tais.
Para essa outra forma de cobrir "erros de gestão" e os créditos ao amor/amizade às famílias do Poder escolheram chamar-lhe imparidade. Coisa que os últimos governos, naturalmente, vêm alimentando à conta dos impostos do nosso Estado. 
E a "geringonça" - que não é propriamente um governo orfão - vai pelo mesmo caminho.
Sobre isto, a norte, costuma dizer-se:
- Puta que (im)pariu...!

quinta-feira, 13 de abril de 2017

terça-feira, 11 de abril de 2017

Alergias do Carballo

Rui Vitória... Samaris... Jonas... Luisão?
Bufarias do(s) Grunho(s) à parte, o que interessa - o que interessa mesmo - é que as "papoilas saltitantes" saltitem.


sexta-feira, 7 de abril de 2017

Friday night blues


Let me tell you story
About a little girl I know
When she walks into a room
You know she steals the show
She's crazy
And it's more than I can stand
I'm just crazy about that woman
And she's just crazy 'bout this man

She wakes me every morning
With that tender lovin' touch
Some fools don't get enough
But she just loves me too much
She's crazy
And it's more than I can stand
I'm just crazy about that woman
And she's just crazy 'bout this man

She always wants me around
But I ain't got time
But you know she got that little ways
To make me change my mind
She's crazy
And it's more than I can stand
I'm just crazy about that woman
And she's just crazy 'bout this man

terça-feira, 4 de abril de 2017

A mecânica do amor

- Bom dia moça, vim aqui buscar o amor que deixei pra consertar.
- Olá meu querido. Tenho muita experiência em consertar amor, mas, o que o senhor fez com o seu... Dificilmente voltará a amar:
- As porcas do carinho estavam puídas e soltos os parafusos do respeito; as pastilhas da paciência completamente gastas e até a esperança quase esgotada.

- Meu amigo, as peças do seu amor estão em péssimas condições. Se eu fosse o senhor considerava-o como perca total.
- Passe bem!
(Adaptação livre de texto de Reff Carvalho)


domingo, 2 de abril de 2017

Domingo, dia de tomar banho e

... relembrar por que um busto é apenas um objecto carregado de signos.

quinta-feira, 30 de março de 2017

Menino sabido


Era um rapaz
Estranho e encantador rapaz
Ouvi que andara a viajar, viajar
Toda a terra e o mar
Menino só e tímido
Mas sábio demais.

Eis que uma vez
Num dia mágico o encontrei
E ao conversarmos lhe falei
Sobre os reis, sobre as leis, e a dor
E ele ensinou
Nada é maior que dar amor
E receber de volta o amor.

domingo, 26 de março de 2017

Baladas



Até aqui era eu que, cantando, conseguia embalar-te a caminho do sono dos anjos.



De repente, passaste a ser tu quem canta para me manter acordado. 

quarta-feira, 22 de março de 2017

Amesterdão fora d'horas

... ou como o senhor Dijsselbloem fundiu as lâmpadas do "red light district"


terça-feira, 21 de março de 2017

Putas e vinho verde

A polémica que hoje foi lançada pelo presidente do Eurogrupo, Jeroen Dijsselbloem, sobre a forma viciosa de gastarmos o dinheiro (dos outros...):em putas e vinho verde, tolheu toda a minha capacidade de blogar em prol da poesia e/ou das árvores, cuja efeméride hoje deveria celebrar. 
Não que o sacana não tenha razão sobre o desbarato que o dinheiro tem sofrido em Portugal. Mas quem protagonizou os maiores orgasmos financeiros foram uma dúzia de comendadores-azeiteiros que, durante anos e anos, se acharam (e, pelos vistos, foram) donos disto tudo e que, hoje, enchem os tribunais com megaprocessos predestinados a parir miniculpas, à boa maneira desta república da sem vergonha.
Os outros, onde eu me incluo, de gajas e bebida só se fôr como aquela história do fulano que pela manhã, todo nu, olhava-se no espelho, afagava o sexo, bebia um copo de água e dizia para si próprio:

- As mulheres e a bebida dão cabo de mim! 

sexta-feira, 17 de março de 2017

Peniche no cu de judas



"As senhoras do Movimento Nacional Feminino vinham por vezes distrair os visons da menopausa distribuindo medalhas da Senhora de Fátima e portas-chaves com a efígie de Salazar, acompanhadas de Padre Nossos nacionalistas e de ameaças do inferno bíblico de Peniche, onde agentes da PIDE superavam em eficácia os inocentes diabos de garfo em punho do catecismo.
- Sigam descansados que nós na retaguarda permanecemos vigilantes!"  

(António Lobo Antunes in "Os Cus de Judas")

terça-feira, 14 de março de 2017

Bom dia pai




Um dia, quando sendo o que somos, não somos o que (já) fomos: com as palavras tropeçando no vazio, as memórias perdidas algures e um i sempre à espreita do encosto na racionalidade. Quando o que se pode não é o que se quer, e a autonomia renuncia à dependência.

Um dia, quando nada mais no restar senão esperar, será bom que não esperemos sozinhos: que pelo menos haja calor à nossa volta. Um calor amigo, familiar, que nos (re)aqueça o coração e nos faça rebuscar o sentido das palavras amor e carinho.

Bom dia pai!

sábado, 11 de março de 2017

Frame EC-64

"A vida é o filme que vês com os teus próprios olhos.
Faz pouca diferença o que está acontecendo.
É como percebes que conta."

Denis Waitley

quarta-feira, 8 de março de 2017

Teu agarro me ilumina

A publicação de hoje cumpre a efeméride comemorada com a música que escolhi, continuando no modo "kizomba" que (inexplicavelmente, ou não...) me atingiu nas últimas bloguices.


Mas se algum espírito mais melindroso/@ achar que é um post agressivo e capaz de ferir susceptibilidades, devendo, portanto, baixar a uma dessas comissões ressabio-parlamentares em voga, então, primeiro coloque a vírgula no sítio que achar mais certo da seguinte afirmação:
"Se o homem soubesse o valor que tem a mulher passaria a vida a rastejar à sua volta!"

Eu, há muito que já escolhi... a mulher! 
                                                     (dancemos então)

sábado, 4 de março de 2017

Penicheiradas políticas


Não sei se vai pegar ou não. A verdade é que anda aí a moda das candidaturas "fora da caixa" por Peniche.
O curioso (ou talvez não) é a bondade e inocência com que os putativos candidatos são (auto?)promovidos, chegando-se ao desplante de, por omissão, tentar branquear a sua solidariedade política para com os maiores protagonistas autárquicos no estado actual da nossa terra, mesmo que pactuar por inacção ou abstenção "apenas" signifique solidariedade institucional.

Atitude branqueadora, que, pelos vistos, abrangerá todas candidaturas partidárias às eleições autárquicas deste ano, e que, como habitual, tenderá a ser esquecida no dia do voto na urna.

Porém, e já que este fatalismo nos persegue, ao menos que apresentem propostas sérias  para as mudanças - económica e social - que Peniche necessita urgentemente, mas façam-no sempre com o explicado/negociado e exigível forte envolvimento da sociedade civil; porque terá de ser por aí, principalmente, o caminho para o futuro do concelho.
O resto, o resto mas também importante, ficará para os serviços camarários. É lá que existem os bons pedreiros, carpinteiros, electricistas, canalizadores, pintores, etc... 

domingo, 26 de fevereiro de 2017

Domingo, dia de tomar banho e...

... recordar uma história com música.

"Bom dia!” – disse ela, ao entrar na cafetaria, cumprindo apenas o ritual da boa educação.
Quis responder, mas o calor da sua voz, os seus traços finos, mas não delicados e a simetria perfeita das suas formas perturbaram-me tanto, que o coração pulou, inibindo-me por completo qualquer tipo de reacção.
E nessa paralisia adolescente fiquei até vê-la sair poucos minutos depois, lançando-me um olhar-sorriso lascivo, desafiante, mas ao mesmo tempo proibitivo, arrogante.
Morri.
Fosse eu poeta e desesperaria para cantar tamanha transcendência.
Valha-me(?) ser apenas um medíocre contador de estados de alma!




quinta-feira, 23 de fevereiro de 2017

Impensabilidades

O vídeo que hoje aqui deixo só tem importância a partir do minuto 1:57, mas como eu não sei trabalhar em desmontagens de factos comprovados, temos de o ver desde o princípio.
Desculpa lá, Zé Gomes! 

terça-feira, 21 de fevereiro de 2017

Helena - "a prima da loja"

- “À ZéKim, estás um homenzito  (e tão parecido com o teu pai...)!"
Foi este o primeiro piropo que sempre lhe mereci - desde muito novo, até ser o tal homenzito que sou hoje. Depois vinham os outros mimos tão seus: na ternura do olhar, na melodia da voz, no calor do afago, na alegria das palavras em conversas desinibidas. 
E foi sempre assim; sempre, até ao (recente) nosso último encontro: tudo tão simples, mas tão sentido, tão cheio daquelas força e felicidade(…) que nos enchem a alma de amor.



Sobre a sua mãe-tia, o Rui António bem disse que “há pessoas, abraços, lugares e felicidade que nunca mais se repetem”.
                                                    Uma verdade que dói.                                                                                                     E hoje dói-me tanto!




segunda-feira, 20 de fevereiro de 2017

Faz nove o meu blogue



- VôZé, posso escrever contigo?
(Logo hoje, pensei eu. Logo hoje que o "Cerro do Cão" faz nove anos e, supostamente, deveria aqui deixar o blá-blá-blá da efeméride, neste espaço de certas verdades, das críticas construtivas, do contributo cívico e do..., aliás, da impressão que sempre tenho que ninguém me lê...)
- Podes sim, Carlota! Hoje és tu a mandar aqui; faz um desenho que o avô publica-o e safa-se de "vestir o fato de cerimónias" para a festa. 
Fica só um abreijo a quem me visita, por descuido, amizade ou obrigação.

Bem hajam e até pró ano!  


domingo, 19 de fevereiro de 2017

Domingo, dia de tomar banho e...

... dançar, ou, pelo menos, ouvir uma valsinha!


sexta-feira, 17 de fevereiro de 2017

terça-feira, 14 de fevereiro de 2017

domingo, 12 de fevereiro de 2017

sábado, 11 de fevereiro de 2017

(in)Transparências



Não acho que o desempenho de altos cargos públicos obrigue à contratação de eunucos; mas daí ao "isentar transparências" (como se não conhecêssemos as teias por onde se movem (e enredam))...










Ó Júlio César, dois mil anos passados e a tua mulher insiste?


quinta-feira, 9 de fevereiro de 2017

Desenrascanço


Até podemos não ter a a pontualidade dos ingleses, a organização e o rigor dos alemães,  ou os automatismos escandinavos, mas temos dos melhores emigrantes do mundo porque é lá fora que se faz o melhor; sonhamos, descobrimos e inventamos. Desenrascamos.



domingo, 5 de fevereiro de 2017

Domingo, dia de tomar banho...

...dançando

"Se um retorno ao útero está fora de questão, a melhor experiência é voltar a um estado de útero com a mãe a reboque. É exactamente isso que o coreógrafo e bailarino David Bolger faz quando ele pega sua mãe de 76 anos, Madge, para se juntar a ele para um dueto subaquático"

sábado, 4 de fevereiro de 2017

Vaidade, palhinhas e outros sapos

Jorge Jesus, alimentando o seu narcisismo execrável, hoje, ao culpar um seu jogador pela derrota do SCP frente ao FCP - deu mais uma prova da sua menos valia humana dentro do panorama do futebol nacional.

Para mim este vil acto de cobardia apenas poderá importar à sua sexualidade.

Porque, de uma coisa podem os sportinguistas ficar certos:  no futuro mais próximo vai ser difícil o JJ "engolir palhinhas"...

sexta-feira, 3 de fevereiro de 2017

O homem dos 7 microfones




Confesso que hesitei.


Esta noite, na RTP2, começava a 3ª temporada da (excelente série) "Mafiosa". Mas, depois deste "directo" directamente direccionado ao meu já debilitado Qi, hesitei em sintonizar o canal.


E, confesso... liguei a Toros TV, peguei pelos cornos uma tourada em diferido; mas com breguice à séria.




quinta-feira, 2 de fevereiro de 2017

Take and wrap, Donald!

(Toma e embrulha, Trump...)

terça-feira, 31 de janeiro de 2017

domingo, 29 de janeiro de 2017

Domingo, dia de tomar banho e...

... ir ao cinema (de ficção negra, ou talvez não...)

quinta-feira, 26 de janeiro de 2017

Over and out


"Over and out" - nos tempos antes internet era assim que se concluíam as conversas via rádio entre pessoas e grupos.
Lembrei-me do termo, ontem há noite, à saída da mais inacreditável sessão política a que assisti nas minhas viagens à vida partidária local. Um atentado à verdade, ao intelecto e ao respeito mútuo, transformado em cenas de surrealidade política a roçar o seu grau zero.
Que venha de lá o rei, nu ou de lantejoulas coberto...   
 Para mim chega!(Over and out)
  --------------------------------------


"O segredo do demagogo é de se fazer passar por tão estúpido quanto a sua plateia, para que esta imagine ser tão esperta quanto ele"
 
Karl Kraus


sábado, 21 de janeiro de 2017

Domingo, dia de tomar banho e...

... pray for America! 


"I'm a Nasty Woman.
Not as nasty as a man who looks like he bathes in cheeto dust.
Not as nasty a man who is a diss track to America.
From Back to broken Back he's stomped on, his words are just more white noise ruining this national anthem.
I'm not as nasty as confederate flags being tattooed across my city;
maybe the south actually is going to rise again
Or maybe it never really fell
Because we're still drowning in vanilla coated power
Slavery has just been reinterpreted into the prison system
Black lives are still in shackles and graves just for being black in front of people who see melanin as animal skin"
. . .  
Nina Donovan


quarta-feira, 18 de janeiro de 2017

Forças ocultas

"A ignorância de um povo é a principal força dos seus governantes"  
(...net)

segunda-feira, 16 de janeiro de 2017

Arriba México!

"privatizem os sonhos, privatizem a Lei e privatizem a justiça; mas se querem (mesmo) uma privatização a fundo...






domingo, 15 de janeiro de 2017

Domingo, dia de tomar banho e...

de "viajar" para além da lua...


...Though you can't see me
I'm always near
Somewhere beyond the moon
There'll be no sadness
There'll be no fear...

terça-feira, 10 de janeiro de 2017

Penitência ?


Maybe I'm foolish, maybe I'm blind
Thinking I can see through this and see what's behind
Got no way to prove it so maybe I'm blind

But I'm only human after all, I'm only human after all
Don't put your blame on me

Take a look in the mirror and what do you see
Do you see it clearer or are you deceived in what you believe

Cos I'm only human after all, you're only human after all
Don't put the blame on me
Don't put your blame on me

Some people got the real problems
Some people out of luck
Some people think I can solve them
Lord heavens above
I'm only human after all, I'm only human after all
Don't put the blame on me
Don't put the blame on me

Don't ask my opinion, don't ask me to lie
Then beg for forgiveness for making you cry, making you cry

Cos I'm only human after all, I'm only human after all
Don't put your blame on me, don't put the blame on me

Some people got the real problems
Some people out of luck
Some people think I can solve them
Lord heavens above
I'm only human after all, I'm only human after all
Don't put the blame on me
Don't put the blame on me
I'm only human I make mistakes
I'm only human that's all it takes to put the blame on me
Don't put your blame on me

I'm no prophet or messiah
Should go looking somewhere higher

I'm only human after all, I'm only human after all
Don't put the blame on me, don't put the blame on me
I'm only human I do what I can
I'm just a man, I do what I can
Don't put the blame on me
Don't put your blame on me

sábado, 7 de janeiro de 2017

Soares foi fixe





(só...) porque me tornou discípulo da liberdade, igualdade e fraternidade enquanto os ideais mais nobres e imprescindíveis da vivência democrática.






quinta-feira, 5 de janeiro de 2017

Coisas (certas)


Não existiria som
Se não h
ouvesse o silêncio
Não haveria luz
Se não f
osse a escuridão
A vida é mesmo assim
Dia e noite, não e sim


Cada voz que canta o amor
Não diz tudo o que quer dizer
Tudo o que cala fala mais alto ao coração
Silenciosamente, eu te falo com paixão


Eu te amo calado
Como quem ouve uma sinfonia
De silêncio e de luz
Nós somos medo e desejo
Somos feito de silêncio e som
Tem certas coisas que eu não sei dizer

                                                              e digo...

domingo, 1 de janeiro de 2017

Torta? Não, é assim mesmo.

"O que nasce torto, tarde ou nunca se endireita" (?) 
Mais um ano para contrariar(mos) o ditado, ou como diz o carrossel da vida: "nova corrida, nova viagem".
Nova corrida porque o tempo é sempre mais veloz do que de útil (para nosso BOM proveito) fazemos dele, não pára porque não se cansa, não se cansa porque é inesgotável. Acaba apenas para cada um de nós quando desistimos...
Nova viagem, claro! Mais uma que, renovadamente, no início de cada ano prometemos a nós próprios cumprir - com uns "mais" dum lado e uns "menos" de outro, umas benfeitorias comportamentais, umas recusas às viciantes facilidades da(s) moda(s) - mas que se vão esgotando e dando lugar ao "outra vez a mesma merda" inexorável do pachorrento "dolce fare niente" contra natura a que nos vamos acomodando ano após ano.
De qualquer modo, fica bem prometer mudança e lutar por ela enquanto disso nos lembrarmos. 
Que seja! Vamos a isso! Pode ser que isto endireite!
(ou que, pelo menos, pare de entortar...)